Paraná

Estudioso da ivermectina na UFPR alerta para risco do uso indiscriminado da drogas

Utilizada em diversos municípios do Brasil como método profilático contra a Covid-19, o antiparasitário ivermectina até agora não tem eficácia comprovada como imunoestimulante e ainda pode trazer riscos quando associada a outros medicamentos. O alerta é do professor do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Marcelo Molento, que estuda o fármaco há 25 anos do ponto de vista bioquímico e da biologia molecular, com foco nos efeitos clínicos e na busca de marcadores para resistência. Substâncias como a ivermectina e a hidroxicloroquina têm sido prescritas por grupos de médicos no Brasil e no mundo, que se baseiam em estudos empíricos para pleitear sua adoção em protocolos de saúde pública. As informações são da Gazeta do Povo.

Médicos sem Fronteiras