Brasil

Moro defende a repressão

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro disse nesta segunda-feira (9) que, apesar de desejar viver em um mundo sem sanções, o “controle repressivo” é necessário. “Não vivemos no mundo dos anjos”, declarou. “Pessoas são falhas e se desvirtuam. E precisam ser punidas em relação às más condutas”, acrescentou.

Durante evento do Dia Internacional do Combate à Corrupção, no Ministério da Justiça, em Brasília, o ministro citou o pacto anticrime do governo, enviado ao Congresso Nacional, como ferramenta positiva no controle de crimes.

“Ele [o projeto] foi aprovado em parte pela Câmara. Vamos trabalhar para que se torne realidade e seja aprovado na outra Casa [Senado] e resgatar as partes que acabaram ficando de lado”, apontou.

Moro disse que a proposta “não resolve todos os nossos problemas”, mas que é necessária.

O ministro da Justiça e Segurança voltou a criticar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que impediu a prisão após condenação em segunda instância. “Respeitamos a decisão do STF, mas discordamos desse precedente. A segunda instancia é fundamental para que o sistema de justiça funcione”, consderou.

Citando recentes solturas após o entendimento da Corte, Moro afirmou que “não adianta culpar o advogado e o criminoso”. “O que devemos culpar é disponibilização pela lei desses próprios instrumentos”. (Metrópoles).

Médicos sem Fronteiras