São José dos Pinhais
24/10/2019 12:09
Brasil

TCE identifica déficit de R$ 25 bilhões na Paranaprevidência

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) identificou um déficit atuarial, ou seja, insuficiência de recursos para cobrir os compromissos, de R$ 25,95 bilhões nas contas de 2017 da Paranaprevidência, regime próprio da Previdência Social dos servidores paranaenses. As informações são do G1.

O tribunal julgou as contas regulares com ressalvas e recomendou que a entidade elabore um novo plano de custeio para resolver o problema.

Conforme o governo, atualmente, são 121 mil aposentados e pensionistas no Paraná. Parte deles tem o benefício pago com recursos do Paranaprevidência, enquanto que a outra parte é quitada com dinheiro do tesouro do estado.

Segundo o TCE, as notas técnicas analisadas pela Terceira Inspetoria de Controle Externo (3ª ICE) apontaram déficits atuariais de R$ 16,95 bilhões nas contas de 2015, de R$ 18,31 bilhões nas contas de 2016, além do déficit de 2017.

Ainda conforme o tribunal, as notas técnicas dos três anos não foram publicadas no portal da transparência, nem analisadas pelo Conselho de Administração além de não terem sido encaminhadas à Secretaria de Estado da Administração e da Previdência (Seap).

O relator do processo, conselheiro Ivan Bonilha, ressaltou que a solução foi emitir a recomendação porque o assunto está relacionado a outro processo, das contas do governador do Estado de 2015 e de 2016 e, portanto, não caberia tratar em outra ação.

A Secretaria de Estado da Administração e da Previdência informou que, em dezembro de 2018, foi aprovado um novo Plano de Custeio e Equacionamento do déficit atuarial do Fundo de Previdência, por meio da Lei Estadual nº 19.790/2018.

Segundo a secretaria, o plano, além de equacionar o deficit, apresenta equilíbrio atuarial.

No entanto, conforme o governo, o assunto deve voltar a ser discutido e “um novo plano pode vir a ser elaborado em função da Reforma da Previdência que, ao que tudo indica, deve ser aprovada até o final do ano”.

Médicos Sem Fronteiras