São José dos Pinhais
18/09/2019 04:21
São José dos Pinhais

Sylvio Monteiro o jovem político dos 40 mil votos, concedeu entrevista exclusiva ao jornalista Cristiano Lima

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo

Estamos a pouco mais de um ano das eleições e existe uma especulação na cidade para se saber quem serão os candidatos a prefeito no ano que vem. Neste contexto, você poderia avaliar o resultado das última eleições?

Naquele momento eu ocupava a presidência da Câmara Municipal e me coloquei como candidato a prefeito pensando que São José dos Pinhais merecia ter uma gestão mais eficiente e democrática, onde a população pudesse participar mais da política local. Concorremos contra o grupo que estava e está na prefeitura há trinta anos. O povo votou pela continuidade desta política, no entanto foi uma boa campanha agradeço o voto de confiança de mais de 40 mil cidadão que acreditam que São José pode ser uma cidade melhor para se viver.

Todos querem saber o que fez após as eleições?Após as eleições, fiz uma avaliação do processo e do meu crescimento pessoal. Optei por não interferir na política local e preferi cuidar da minha vida familiar e profissional. Estou estudando bastante a administração local, e tenho certeza que muitas coisa deveriam e devem ser diferente do que está aí.

Segundo informações, você está sendo procurado por muitas lideranças locais. O que está fazendo com que volte ao cenário político de São José?

É verdade, muitas amigos e lideranças têm me procurado. Após as últimas eleições decidi me retirar definitivamente do cenário político, mas reavaliei. Como todo agente público tenho minha cota de responsabilidade com a cidade. A população não está mais satisfeita com a escolha que fez, nada mudou, piorou. Por isso estou recebendo e ouvindo essas pessoas que, querem o melhor para o município e também pela responsabilidade que devemos ter com a nossa são José dos Pinhais.

Vamos mudar um pouco o tema. Como você vê a cultura política de São José em relação a participação dos cidadãos e dos empresários nas decisões sobre o desenvolvimento do município?

Nossa cultura política local e nacional é muito tradicional. Os grupos que são eleitos se comportam como proprietários do município, do estado, e se esquecem que o estado é de todos, para todos. Temos que democratizar o município, a população deve opinar, construir junto com a administração a cidade que deseja. Os empresários também não participam das decisões e muitas vezes são vistos como inimigos da administração, tendo de enfrentar uma burocracia imensa na prefeitura, tudo é difícil e lento. Temos que democratizar e desburocratizar. São José merece uma gestão moderna, eficiente e participativa.

Um dos principais problemas do país hoje é a questão do emprego. Em São José não é diferente. O município poderia fomentar a geração de emprego?

Como vinha falando, temos que construir um projeto de desenvolvimento local de longo prazo com toda a cidade. Não podemos ficar reféns somente da indústria automobilística e da logística que se configuraram fortes geradores de emprego. O município é um ente autônomo e pode gerar muitos empregos. Na região metropolitana temos os exemplos de Pinhais e Fazenda Rio Grande que se modernizaram administrativamente atraíram muitas empresas. Além disto a cidade tem outros potenciais como a agricultura e o turismo rural que são setores fortes na geração de emprego.

A população reclama muito do serviço de saúde deficiente que existe no município. Qual seu ponto de vista sobre isto?

O acesso à saúde é um direito do cidadão e deve ser atendido. Sabemos que gestão da saúde pública é muito complexa e não temos orçamento suficiente. Mas gostaria de citar um exemplo: em outra gestão na nossa cidade com o mesmo orçamento o mesmo cidadão era bem atendido e o acesso aos serviços eram facilitados. Por que agora não temos o mesmo serviço e foi fechada uma das Unidades de pronto atendimento? É uma questão de decisão política do governante e de uma gestão eficiente e eficaz. Com uma gestão mais comprometida com a população e mais eficaz é possível ter uma saúde melhor, se fazer uma cidade melhor para se viver.

Existe uma grande diferença de gestão para gestão, as pessoas estão desiludidas com a política. Como avançar neste ponto?

No nosso município, temos o mesmo grupo no poder há muito tempo. Não existe alternância de poder, então a população não consegue comparar gestões ou ver melhorias. A população pensa que a política não importa em suas vidas. Este exemplo da saúde é um exemplo claro que a política pode melhorar ou piorar a atendimento da saúde. Na última eleição a prefeito, tivemos 154.403 votos, no entanto tivemos 14.747 (9,55%) votos brancos, 24.333 (15,76%) votos nulos e 16.302 (9,55%) abstenções. Temos que mudar a cultura política em nosso pais, a população tem que participar mais. Inclusive em São José a população deve mudar o seu título de eleitor para nossa cidade, isto faz uma grande diferença.

Você apontou vários pontos importantes para que nossa cidade possa avançar. Mesmo estando fora do poder público como você pretende contribuir no processo de participação dos cidadão e empresários na vida política do município?

Inicialmente vou promover audiências abertas nos bairros de São José. Temos que conhecer melhor, escutar e reconhecer as necessidades e potencialidades das pessoas. Temos moradores muito antigos da cidade, imigrantes, temos gente do interior do Paraná, de São Paulo, de Santa Catarina. E temos novas gerações que já nasceram aqui. Existem expectativas, necessidades e pontos de vistas diferente. Por isto devemos ampliar a participação popular e empresarial, a democracia não pode ser exercida somente nas eleições, mas na aplicação dos recursos dos impostos.

Médicos Sem Fronteiras