São José dos Pinhais
17/08/2019 11:32
São José dos Pinhais

Justiça concede habeas corpus e Allana Brittes vai responder em liberdade

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo
(Foto: GIULIANO GOMES/PR PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

Filha do assassino confesso Edison Brittes e acusada de participar da morte do jogador Daniel de Freitas, Allana Brittes será solta nas próximas horas. O Superior Tribunal de Justiça aceitou o pedido de habeas corpus da defesa de Allana que alegava “constrangimento ilegal consistente na ausência de fundamentação na decisão que decretou a prisão preventiva”. Agora ela vai responder em liberdade. As informações são da Tribuna do Paraná.

“A concessão da liberdade de Alana Brittes é recebida com serenidade pela defesa, que sempre acreditou que na justiça. O reconhecimento deste constrangimento ilegal é o primeiro passo para começar a desfazer os factoides criados no caso. Aos poucos tudo será esclarecido, sem generalizações” diz a nota oficial emitida pela defesa de Allana.

O caso

Após a festa de aniversário de Allana, numa casa noturna de Curitiba, alguns convidados seguiram para a residência da família, na região metropolitana. Com praticamente todos os convidados alcoolizados, inclusive Daniel, que foi convidado, algumas versões diferentes da história foram contadas. O que se sabe é que ao flagrar Daniel deitado na cama de suas esposa (Cris), Edson passou a agredir o jogador com a ajuda de outros convidados e arrastou a vítima para o carro. Ele foi levado para um local ermo, numa estrada rural, apanhou mais, foi parcialmente degolado e teve o pênis arrancado.

Em depoimento à polícia, o Brittes confessou ter matado Daniel e alegou que o fez para proteger a esposa, que poderia ser estuprada por Daniel. A Polícia Civil e o Ministério Público do Paraná (MP-PR), no entanto, afirmam que não houve tentativa de estupro.

A partir do dia 13 de agosto, na 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, os acusados começam a prestar depoimento. Serão ouvidos Edison Brittes Junior, que confessou o crime, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, Ygor King, David Willian Vollero da Silva, Allana Brittes, Cristiana Rodrigues Brittes e Evellyn Brisola Perusso.

Médicos Sem Fronteiras