São José dos Pinhais
17/11/2019 06:45
Brasil

Reforma reduz aposentadoria por idade; quem ganharia R$ 2.000 perde R$ 877

Na reforma da Previdência, quem está próximo de completar os requisitos para se aposentar por idade entrará em uma regra de transição que deixa o valor do benefício menor do que as regras atuais. Informações de Thâmara Kaoru, do UOL.

Hoje, na hora de calcular a média salarial, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) descarta os menores salários de contribuição. A proposta do governo é considerar todas as contribuições, portanto, essa média acaba ficando menor do que a atual.

Veja qual seria a perda na aposentadoria 
Um trabalhador de 65 anos de idade, com 20 anos de contribuição e com média salarial de R$ 2.240,90 receberia hoje 90% da média, e sua aposentadoria seria de R$ 2.016,81. 

Com a reforma, a média salarial desse mesmo trabalhador cairia para R$ 1.899,41. Ele receberia 60% da média, e a aposentadoria seria de R$ 1.139,65, uma diferença de R$ 877,16. Os cálculos foram elaborados pelo Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários). 

Para ter 100%, reforma exige 40 anos de contribuição
Além dessa diferença na média, a proposta muda a regra de cálculo da aposentadoria. Quem hoje tem 15 anos de contribuição, que é o tempo mínimo exigido na aposentadoria por idade, ganha 85% da média salarial. Se tiver 20 anos de pagamentos, terá 90% da média. Com 30 anos de contribuição, é possível receber 100%. 

Se a reforma da Previdência passar no Congresso como está, quem entrar na regra de transição ganhará 60% da média se tiver entre 15 e 20 anos de contribuição. Para atingir 100% da média salarial, será preciso contribuir por 40 anos.

Quem começa a trabalhar cedo é prejudicado “Muitas pessoas começam a trabalhar cedo, sem vínculo oficial. Por isso, quando elas vão se aposentar, acabam pedindo a aposentadoria por idade. Essas pessoas vão ser punidas”, disse a advogada previdenciária Marta Gueller.

Só não sentiriam uma mudança significativa no valor do benefício aqueles segurados que sempre ganharam pouco ou sempre contribuíram pelo salário mínimo. Mesmo que a média salarial fique baixa, o valor do benefício sobe para o salário mínimo.

Veja os detalhes das regras de cálculo 
Como é hoje: O INSS calcula a média com os 80% maiores salários de contribuição desde julho de 1994. Depois, usa 70% da média mais 1% a cada ano de contribuição. Como é preciso contribuir por no mínimo 15 anos, o segurado recebe ao menos 85% da média.

15 anos a 20 anos de contribuição: 60% da média salarial
21 anos de contribuição: 62% 
22 anos de contribuição: 64% 
23 anos de contribuição: 66% 
24 anos de contribuição: 68% 
25 anos de contribuição: 70% 
26 anos de contribuição: 72% 
27 anos de contribuição: 74% 
28 anos de contribuição: 76% 
29 anos de contribuição: 78% 
30 anos de contribuição: 80% 
31 anos de contribuição: 82% 
32 anos de contribuição: 84% 
33 anos de contribuição: 86% 
34 anos de contribuição: 88% 
35 anos de contribuição: 90% 
36 anos de contribuição: 92% 
37 anos de contribuição: 94% 
38 anos de contribuição: 96% 
39 anos de contribuição: 98% 
40 anos de contribuição: 100%



Médicos sem Fronteiras