São José dos Pinhais
17/11/2019 06:46
Paraná

Arrependido, pai explica por que matou filha e conta que antes de morrer ela disse: ‘Eu te amo’

Um carro Renault Sandero vermelho se tornou uma peça chave para os investigadores da Polícia Civil a identificarem o suspeito de matar a terapeuta ocupacional Aline Nadolny, 27 anos, encontrada nos arredores da Colônia Penal Agrícola, na semana passada. O pai da jovem teria confessado o crime na manhã desta quinta-feira (13), durante depoimento na Delegacia de Piraquara. A Polícia vai esclarecer o crime em uma coletiva nesta sexta. As informações são da Tribuna do Paraná.

“Pai, eu te amo. Pai, eu te amo”. Antes de ser morta pelo pai, Aline Miotto Nadolny, de 27 anos sussurrou a frase no ouvido de Luiz Carlos Nadolny, de 48, que confessou  o crime está preso na Delegacia de Piraquara, região metropolitana de Curitiba. A declaração não impediu que a terapeuta ocupacional fosse morta por esganadura na quinta-feira da semana passada, dia 6. O crime foi motivado por Aline ter se negado a ajudar o pai, que queria que ela conversasse com a ex-esposa, mãe da terapeuta, para diminuir o valor de uma pensão paga a outra filha mais nova deles.

Segundo as investigações, o veículo teria sido flagrado por câmeras de segurança no local onde o corpo foi achado por algumas crianças que voltavam da escola. A identidade do homem ainda não foi divulgada, mas já se sabe que não é o pai da vítima. Também há a informação de que o homicídio teria ocorrido dentro do carro, com o uso das mãos para esganar a vítima.

Médicos sem Fronteiras