São José dos Pinhais
18/06/2019 11:53
Brasil

Dilma cortou mais R$ 2 bi da Educação e da Saúde, e não houve nenhum manifesto

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo

O governo Dilma decidiu cortar R$ 1 bilhão no orçamento de Educação e outro R$ 1,2 bilhão da Saúde como parte do contingenciamento adicional de R$ 8,6 bilhões, conforme decreto em (30 de julho de 2015 ) em edição extra do Diário Oficial da União. Na época não houve por parte dos educadores e estudantes, nenhum manifesto de repudio, muito menos uma cartolina com tinta guache: ISSO NÃO DILMA!

Segundo o Planejamento da época, os dois ministérios foram protegidos e o bloqueio ficou abaixo da média geral. “O bloqueio dos valores primou pela qualidade do gasto público, de modo que não houve um corte linear e alguns ministérios não foram contingenciados”, informou nota do Ministério do Planejamento.

No geral, o PAC foi o principal alvo da tesourada adicional dada pelo governo no orçamento deste ano. Foram contingenciados mais R$ 4,66 bilhões do programa, o que corresponde a 55% do contingenciamento feito nas despesas do Poder Executivo.

O corte atingiu ainda as emendas parlamentares e R$ 327,1 milhões foram congelados. O ministério mais atingido foi o da Cidades, com R$ 1,32 bilhão contingenciado.

O Ministério dos Transportes terá um corte adicional de R$ 875,6 milhões. Integração Nacional perdeu R$ 723,4 milhões, a Fazenda, R$ 409 milhões e a Ciência e Tecnologia, R$ 350 milhões.

Nos demais Poderes, a tesoura foi de R$ 77 milhões no Poder Judiciário, R$ 28 milhões no Ministério Público da União, R$ 16 milhões no Legislativo e R$ 2 milhões na Defensoria Pública da União, somando R$ 125, 4 milhões.

Médicos Sem Fronteiras