São José dos Pinhais
15/10/2018 11:39
Paraná

Ratinho Junior tem que assumir Beto Richa, afirma João Arruda

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo

João: “Afinal de contas, Ratinho Junior é um traidor do seu grupo político ou ele que assuma que é a verdadeira continuidade deste governo que está aí”

O deputado João Arruda, candidato a governador pelo MDB, disse nesta terça-feira, 11, que a prisão do ex-governador Beto Richa e de integrantes do seu grupo político revela, mais uma vez, que a corrupção campeou o Estado nos últimos anos e que candidatos como Ratinho Junior (PSD), que fez parte do governo Richa, tem que se explicar à população.

“Agora, Ratinho Junior veste uma máscara de independente, de renovação. Quem governou com o Richa é continuidade e não renovação”, disse João Arruda. “O paranaense vai saber escolher e diferenciar quem estava com quem nos últimos anos nos desmandos que marcaram este último governo”, completou.

“Falo isto com tristeza por que o Paraná não merece estar novamente nas páginas policiais. Mas eu sempre soube, por isto sempre fiz oposição a este grupo que governou o Paraná nos últimos anos. Eu conhecia as suas verdadeiras intenções e sabia que não era fazer pela saúde, pela educação, pela segurança e pela geração de empregos”, ressaltou João Arruda.

Ratinho ao lado de Richa – Para João Arruda, a campanha é a oportunidade ideal para Ratinho Junior se explicar aos paranaenses sua relação com o grupo de Beto Richa. “Eu aguardo ansiosamente o posicionamento deste candidato, que não tem ido nos debates, que não quer debater comigo, mas que ele diga o que ele pensa desta turma que está aí”.

“Afinal de contas, ou ele (Ratinho Junior) é um traidor do seu grupo político ou ele que assuma que é a verdadeira continuidade deste governo que está aí”, ressaltou o candidato do MDB.

João Arruda lembra ainda que enquanto fez oposição ao Beto Richa durante o exercício de todo o seu primeiro mandato, “o Ratinho Junior era secretário do Richa”, recordou.

Depois na campanha eleitoral de 2014, João fez oposição, não apoiou Beto Richa, apoiou Requião. “Depois em 2015, eu fazia oposição e denunciava os escândalos de corrupção no Congresso Nacional, fazia visitas em escolas que foram roubadas e queria realmente que isto tudo fosse investigado”, concluiu.

Médicos Sem Fronteiras