São José dos Pinhais
13/12/2018 09:22
Paraná

Prisão de Richa em quatro pontos

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo

Fernando Fischer, responsável pela ordem de prisão temporária de Beto Richa: “É inegável que entre os investigados há pessoas que gozam de elevado poder político ou econômico”, o pedido de prisão temporário é para “garantir a isenção dos testemunhos colhidos” e evitar a destruição de provas e intimidação de testemunhas. As informações são do Fábio Campana.

Leonir Batisti, chefe do Gaeco: “Não existe acusação, nem processo, nem inquérito, nem condenação”, a prisão “é apenas para investigação”.

Luiz Fernando Bandeira de Mello, integrante do “Conselho Nacional do Ministério Público: “Um promotor não pode reativar um inquérito que dormiu por meses ou praticar atos em atropelo apenas com o objetivo de ganhar os holofotes durante o período eleitoral.”

Laertes Ferreira Gomes, desembargador que negou o habeas corpus: A decisão de prender Richa está “fundamentada em elementos concretos extraídos do contexto fático-probatório”. A prisão temporária é imprescindível para as investigações porque se trata de um “complexo esquema criminoso a envolver ex-agentes públicos que ocuparam cargos políticos de alta importância no Estado do Paraná, com ampla potencialidade de influenciar a colheita de provas e deturpar a investigação criminal”.

Médicos Sem Fronteiras