Esporte

Inter é o novo rei das Américas

Porto Alegre – O Inter é o novo rei das Américas. O Colorado empatou ontem com o São Paulo por 2 a 2 e ganhou pela primeira vez o título da Libertadores – fica a uma taça do rival Grêmio. Havia vencido o jogo do Morumbi por 2 a 1. Terá o direito de participar do Mundial de Clubes da Fifa, em dezembro, no Japão.


O Beira-Rio explodiu em alegria após o apito final do árbitro Horácio Elizondo. Esteve com o nó na garganta até o último minuto. O São Paulo foi bravo em Porto Alegre. Nunca desistiu do tetra.


Mas não era mesmo para ser. E o torcedor tricolor percebeu isso de cara. O time de Muricy teve as três primeiras oportunidades de marcar no jogo e perdeu. A 1min54s, Edcarlos tentou o voleio na área e errou. Estava livre. Aos 6, Clemer espalmou bonito o chute com direção de Danilo. No escanteio, a bola apareceu na frente de Lugano, também livre e a cinco metros do gol, mas ele mandou por cima. Muricy parecia não acreditar na falta de pontaria dos seus jogadores.


Superada a pressão inicial do Tricolor, o Inter tratou de jogar também. E não demorou para equilibrar o duelo – sobretudo com boas jogadas de Fernandão, Alex e Sóbis. Em dois minutos, 9 e 10, duas jogadas perigosas contra o gol de Rogério Ceni. No meio, jogadores dos dois times lutavam muito.


Dos 18 aos 23 minutos, uma parada. Motivo: a fumaça dos sinalizadores da torcida invadiu o campo e “apagou“ tudo.


Não demorou após a volta forçada para que o Inter marcasse seu gol, com Fernandão, aos 29, numa jogada infeliz de Ceni. O goleiro/herói deixou a bola escapar de suas mãos em falta da direita. Fabiano Eller pressionou e a bola acabou sobrando para o atacante do Colorado, que de carrinho empurrou para a rede. Festa em Porto Alegre.


A partir daí, cada jogador do São Paulo tentou resolver sozinho, sobretudo Richarlyson, o substituto do volante Josué, suspenso ontem. Fernandão era só alegria. Ele acreditava em todas as jogadas.


Os times estavam tão a fim que voltaram do intervalo antes do árbitro argentino. E logo no início, o São Paulo voltou para a decisão, com gol de Fabão, aos 5. O beque aproveitou a bobeira da defesa do Inter, que parou. Edinho, no entanto, dava condição ao são-paulino.


O 1 a 1 calou o Beira-Rio – por 15 minutos apenas. Aos 20, Tinga fez 2 a 1 após bola ajeitada por Fernandão. O próprio atacante havia tentado de cabeça para boa defesa de Ceni. Na comemoração, Tinga levantou a camisa e foi expulso. Ele já tinha cartão amarelo.


Daí para frente, o São Paulo pressionou. Teve chances até o empate de Lenílson, aos 39. Era tarde. Clêmer fechou o gol depois disso. Era o fim. A América era do Internacional.


 

Médicos sem Fronteiras