Esporte

“Família Bonamigo“ traz alegria ao Alto da Glória

A filosofia de Paulo Bonamigo não é segredo para ninguém. O técnico do Coritiba prefere apostar em um grupo homogêneo do que apenas em valores individuais. E em sua segunda passagem pelo Coritiba, a estratégia do comandante novamente mostra bons resultados. Até aqui, o ápice do elenco coxa-branca foi a partida contra o América-RN, na sexta-feira.


Além da vitória por 5 a 1, a maior até aqui na Segunda Divisão, quando colocou os atacantes Willian e Guilherme em campo, Bonamigo chegou a marca de 32 jogadores utilizados em apenas 10 jogos.


Desde que reassumiu o Alviverde, o treinador não utilizou apenas três jogadores de seu elenco: o zagueiro Vágner, o volante Rodrigo Mancha e o atacante Keirrison, que se recupera de lesão e só estará disposição a partir de novembro.


Mais: no período, o comandante realizou 30 substituições no decorrer das partidas (sempre utilizou as três trocas permitidas em cada jogo).


Por isso, a frase dita pelo atacante Anderson Gomes após a partida contra o América continua sendo a melhor definição do espírito da equipe desde a chegada do técnico.


“O professor sempre fala que o importante é o grupo. Esse não é o momento do Anderson, mas sim do Coritiba“, afirmou o jogador depois de ter marcado três gols contra o América. Antes dele, o último jogador que conseguiu o feito vestindo a camisa alviverde foi Liédson, em 2002, pela Copa Sul-Minas, na derrota por 4 a 3 para o Grêmio, em Porto Alegre.


 

Médicos sem Fronteiras