Paraná

Estados formulam projeto de política industrial

 A aprovação das leis estaduais de inovação e o fim da guerra fiscal entre os estados  foram considerados como fatores essenciais para a promoção do desenvolvimento industrial por representantes de 16 estados brasileiros reunidos nesta quinta e sexta-feira (03 e 04), em Curitiba. Eles participaram do Seminário Nacional Estratégias de Desenvolvimento Industrial nos Estados, promovido pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com a CNI, Fiep e IBQP. “Sem ter suas leis de inovação aprovadas, os estados não poderão se beneficiar de subvenções federais para a promoção do desenvolvimento“, informou Mário Salerno, diretor de desenvolvimento industrial da ABDI.


Os representantes dos governos estaduais presentes ao evento admitiram que a guerra fiscal existe no País e reconheceram que ela é um impeditivo para o crescimento da indústria nacional. “A política industrial é o antídoto para a guerra fiscal“, defende Gina Paladino, assessora da presidência da Fiep e coordenadora técnica do evento.


O seminário reuniu representantes da área governamental, empresarial e da academia para discutir as melhoras práticas de política industrial e formular propostas para os próximos governos. Entre as propostas a serem apresentadas aos próximos governantes serão incluídos os programas de incentivos fiscais, ações já implementadas em alguns estados e linhas de financiamentos para plataforma de desenvolvimento industrial, como os Arranjos Produtivos Locais (APLs) e  parques tecnológicos. “O que queremos é que a política industrial seja incluída nos planos de governo dos estados  e seja considerada prioritária“, disse Salerno.


““Pela primeira vez as políticas públicas são tratadas como PPPs – Parcerias Público Privada – porque reunimos num mesmo evento governo, empresa e academia“, destacou Gina Paladino. Ela informou que todos os estados da federação foram convidados e 16 responderam ao chamado e comparecem. “Conseguimos reunir 80% do PIB do Brasil“, disse referindo-se aos estados participantes. Segundo ela, esta união dá solidez ao projeto que começa a ser construído.


Outra conclusão das discussões é que não há cooperação e troca de experiências e tecnologias entre os estados. “Se um estado ajudasse o outro, o país sairia fortalecido e poderia ganhar mercados importantes“, disse o presidente da ABDI, Alessandro Teixeira. “O que se vê, no entanto, é que o Sul não sabe o que o Norte está fazendo e vice-versa“.


Para ele, a política industrial deve estar acima de qualquer divergência ideológica. “A visão de desenvolvimento industrial tem que ser independente do governo e deve necessariamente representar uma visão de Estado, do País, de onde queremos chegar“, defende Teixeira.


Assessoria de Comunicação da FIEP


 

Médicos sem Fronteiras