Mundo

Cresce pressão de israelenses contra governo por atuação na guerra

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, e o titular da Defesa, Amir Peretz, perderam significativo apoio popular devido a atuação do governo de Israel durante a guerra no Líbano, indicaram duas pesquisas publicadas nesta quarta-feira por jornais do país. Diante dos resultados, Peretz – que teve a cabeça pedida por 57% dos entrevistados -, anunciou a abertura de uma investigação para analisar a atuação do governo durante o conflito.


A pesquisa elaborada pela empresa TNS-Teleskef para o diário Yediot Ajaronot revela que o apoio ao premier caiu para 40%, uma queda de 38 pontos em relação aos 78% registrados durante as duas primeiras semanas da ofensiva militar israelense no Líbano. As operações começaram depois que dois soldados israelenses foram capturados por milicianos do Hezbollah em território israelense.


Peretz, por sua vez, também viu seu apoio cair de 61 para 28%, segundo a pesquisa, que ouviou 500 pessoas e tem margem de erro de 4,4 pontos para mais ou para menos.


Já um segundo estudo elaborado pelo Instituto de Investigação Dahaf para o diário Maariv mostra que 57% dos entrevistados exigem a demissão de Peretz.


Além disso, a pesquisa revela que 70% da população era contrária a uma proposta de cessar-fogo que não inclua o regresso dos soldados capturados pela milícia islâmica. Ainda segundo a sondagem, que tem uma margem de erro de 4,5 pontos, 69% dos israelenses exigem a abertura de uma investigação sobre a atuação do governo durante a guerra.


Diante dos resultados das pesquisas, o ministro da Defesa escolheu um ex-chefe do Exército israelense para comandar um comitê que investigará a conduta do governo durante os 34 dias de embates contra os guerrilheiros do Hezbollah.

Médicos sem Fronteiras