Paraná

Serathiuk destaca avanços no combate aos acidentes de trabalho

O delegado regional do Trabalho, Geraldo Serathiuk, afirmou que nunca no Paraná se debateu e  tomou tantas iniciativas para diminuir os índices de acidente de trabalho no Estado – que é o 4º colocado no Brasil com 35.185 acidentes. Destes, 968 ficaram incapacitados de forma permanente e 212 morreram, em 2004. “Temos que destacar, neste dia, que obtivemos muitos avanços: instituições estão trabalhando de forma articulada, sindicatos de trabalhadores dos Bancos, entre outras atividades econômicas, estão investindo cada vez mais em departamentos de saúde e segurança“, afirma Serathiuk.


Alguns exemplos dessa integração foram a criação das associações de lesionados; o Sesi investindo muito mais em programas de prevenção nas empresas; o Senar apoiando a implantação da Norma Regulamentadora 31 (NR31) no campo e vai ajudar a formar técnicos em segurança especializados na questão; os sindicatos do setor do transporte iniciam a montagem de um comitê unificado de combate aos acidentes – da mesma forma ao existente comitê da construção civil –; o governo federal editou a NR32 para o setor hospitalar – onde tem ocorrido muitas doenças e acidentes no trabalho – que começa a ser implantada no sistema de saúde; o governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Segurança, criou o Nucrisa,  especializado no combate aos crimes contra a saúde do trabalhador; a Secretaria de Estado da Saúde está organizando os centros de referência  da saúde do trabalhador; o comitê de combate aos óbitos no trabalho esta estruturando um software para trocar informações e melhorar o processo de articulação, com o objetivo de fiscalizar e combater as causas de acidentes de trabalho; e a imprensa, como nunca, colocou em pauta esta temática que é de extrema relevância para a sociedade.


A sociedade precisa saber, fala Serathiuk, que o Paraná perde anualmente cerca de R$ 2 bilhões com acidentes e doenças do trabalho,  no setor formal, segundo estudos, e que passou a ser um assunto de estado. “O setor produtivo deve saber que a cada real investido em saúde e segurança no trabalho, tem-se um retorno de R$ 5,00“, afirmou Serathiuk.


Delegacia Regional do Trabalho no Paraná
Seção de Comunicação Social

Médicos sem Fronteiras