São José dos Pinhais
19/09/2017 04:59
São José dos Pinhais

Hospital São José deve reabrir pronto-socorro em até três dias, determina Justiça

Compartilhar artigo no facebook Compartilhar artigo no twitter Compartilhar artigo no WhatsApp ↑ Topo

A Justiça do Paraná determinou, nesta quinta-feira (18), a reabertura do pronto-socorro do Hospital São José, em São José dos Pinhais. Segundo a decisão, a instituição deve retomar o serviço de urgência e emergência em 72 horas, por no mínimo 30 dias, até que um cronograma ateste ou não a continuidade dos atendimentos. As informações são da bandab.com.br

“O município e o estado do Paraná são corresponsáveis pelo hospital e precisam tomar as medidas necessárias para que o pronto-socorro volte a funcionar. Depois do prazo de um mês, o cronograma vai dizer se o serviço continuará ou não a ser prestado a longo prazo. Se a resposta for positiva, o aporte financeiro e o compromisso de cada esfera serão definidos para manter o hospital”, afirmou o promotor do Ministério Público, Willian Lira de Souza, em entrevista à Banda B. Ele atua na 2ª Promotoria de Justiça de São José dos Pinhais.

Em caso de descumprimento da decisão, a multa para o poder público, e também para os secretários de Saúde do município e do estado, é de R$ 10 mil por dia. “Essa ação foi tomada depois de uma semana de tratativas administrativas e tentativas de acordo, que pediam a retomada de serviço voluntariamente, mas isso não aconteceu. Por enquanto, ela não questiona a possibilidade do atendimento continuar ou não a longo prazo”, completou.

De acordo com o promotor, a manutenção do hospital é de responsabilidade da cidade e do estado, com o apoio da União. “Todos devem tomar uma decisão sobre a importância dessa instituição, que atende uma região muito grande, inclusive rodovias. O trabalho do Ministério Público continua, no intuito de garantir o funcionamento do pronto-socorro de maneira eficaz e com uma situação financeira estável”, finalizou.

Tanto a prefeitura quanto o governo do Paraná podem recorrer da decisão da Justiça.

Médicos sem Fronteiras